Joares Ponticelli tem entre os motivos para estar com os dois pés no PSL e despertar no partido a esperança de ser o candidato a prefeito em 2020, o cenário político pelo menos por ora, sem adversário que possa enfrentá-lo.
05/07/2019 09:11

Além de estar na ala progressista que resistiu ao “Clã Amin”, por questão de espaço político, o prefeito de Tubarão, Joares Ponticelli tem outro motivo para estar com os dois pés no PSL e despertar no partido a esperança de ser o candidato a prefeito em 2020. O cenário político pelo menos por ora, não oferece adversário que possa enfrentá-lo.

O PSDB, tem como principal nome Carlos Stupp, que após a derrota em 2016 ficou fragilizado. O MDB teve a filiação recente do médico Dr Cristinao, liderança nova e ainda em construção. No PT, há o nome do ex-prefeito Olavo Falchetti que ainda carrega certo desgaste sofrido pela siga em âmbito nacional e no PP, destaca-se Gelson Bento, o vereador mais votado.

Indiferente do peso das lideranças, há de se levar em consideração que um prefeito na função, com avaliação positiva e apoio do Governador para o “antes, durante e depois” da eleição, largaria em vantagem.

A intenção de Ponticelli é manter e ampliar a coligação que o elegeu em 2016. As conversas com líderes do PSL estão adiantadas e a impressão é que falta pouco para anunciar a filiação.

Para quem, durante a campanha eleitoral de 2018, afirmou que o então candidato a governador, Carlos Moisés, do PSL só tinha “ comandado quartel com 50 milicos”, o prefeito de Tubarão de fato mudou seu conceito. Está em sintonia ajustada com Moisés desde os primeiros dias de sua eleição.

LEIA MAIS: Moisés só comandou quartel com 50 milicos, diz Ponticelli

Enviando Comentário Fechar :/