Em extensa carta ao atual presidente do partido, Vanderlei Rosso, Ademir de brida Junior, o Totinho (na foto o último a direita), alega que ficou isolado no MDB e que o ciclo chegou ao fim
04/12/2019 14:33

O ex-vereador e ex-presidente do MDB de Urussanga, Ademir de Brida Junior, o Totinho, entregou há pouco sua carta de desfiliação do partido. No texto, descreve sua trajetória na sigla, passando pela eleição como vereador mais votado em 1996, presidência do partido e eleição de Jhonny Felippe a prefeito da cidade. A principal reclamação no entanto é de que, apesar de suas intenções de participação na majoritária, foi a cada dia mais "isolado"  no MDB. 

Ao ser questionado pelo site, Ademir de Brida Junior disse que por ora fica sem partido e sem participação nas eleições de 2020. O partido NOvo e o PSD podem ser caminhos para o ex-vereador.

Confira a carta na íntegra:

Urussanga 04 de Dezembro de 2019

Prezado Amigo Vanderlei Olívio Rosso


Presidente do MDB – Movimento Democrático Brasileiro de Urussanga
Iniciei minha participação na política muito cedo. Em 1982, aos 11 anos, lá estava Eu, colando cartazes e
pedindo votos para Jailson Tupy Barreto para o Governo do Estado e para Oberdan de Brida a prefeito.
Em 1986, acompanhava meu Pai na eleição do médico Eduardo Moreira a Câmara Federal e Pedro Ivo ao
Governo Estadual.


Em 1988, já crescido, participei e ajudei, ficando até três dias e três noites acordado, na eleição que daria a
você, amigo Vanderlei, o seu primeiro mandato como Prefeito Municipal. De lá pra cá, nunca deixei de ajudar
e votar em você, para prefeito e para Deputado.


Fui o vereador mais votado na história de Urussanga, em 1996, e graças a minha atuação e dos demais
vereadores, chegamos a sua segunda vitória para prefeito, na eleição seguinte, em 2000.
A época, abri mão de uma eleição garantida de vice-prefeito, para que o partido não rachasse.


Fora isso, tive participação efetiva em várias eleições. Ivo Carminati, Ronaldo Benedet, Vampiro, Luiz
Henrique, Raimundo Colombo, Casildo Maldaner, Leonel Pavan, Dario Berger etc
Fui presidente do partido por 4 anos, quando ninguém queria, visto que estávamos na oposição, no governo
Zen.


Era um momento difícil, mas mesmo assim, filiamos mais de 150 pessoas, resgatamos companheiros, como o
ex-prefeito Vanio Piacentini e o ex-vereador Jhair Meneghel, que estavam fora do partido.
Por sugestão do ex-presidente Stevan, criamos a La Minestra, evento que reuniu filiados e simpatizantes do
partido.


Fruto desse trabalho, elegemos Johnny Felipe ao cargo de Prefeito Municipal.
No entanto, também sempre tive minhas pretensões e meus sonhos. Mas, embora tenha trabalhado
coletivamente para realizá-los, fui cada vez mais isolado no partido.


Por isso, mesmo sendo uma decisão difícil, penso que meu ciclo nessa agremiação chegou ao fim e não me
resta outra opção senão a minha desfiliação.


Sendo assim, solicito meu desligamento do MDB – Movimento Democrático Brasileiro de Urussanga.
Penso ter cumprido com o meu dever, como partidário que fui, nesse longo período em que estive no partido.
Encerro com a frase de Mario Lago: “Fiz um acordo de coexistência pacífica com o tempo. Nem ele me
persegue, nem eu fujo dele. Um dia a gente se encontra.”


No mais, desejo sucesso na sua gestão frente ao partido.


Atenciosamente,

ademir de Brida Junior

Enviando Comentário Fechar :/