Assessoria jurídica da Câmara garante que não houve processo fraudulento e presidente da Casa Miri Dagostin quer saber quem fez a denúncia. Fato agitou os bastidores políticos em Criciúma
19/11/2019 08:05

Bombeiros do Paço Municipal entraram em campo ontem para convencer o  presidente da Câmara de Criciúma, Miri Dagostin, do PP, a não protocolar documento solicitando maiores informações sobre a denúncia relativa a supostas aposentadorias irregulares no Legislativo. A carta solicita o autor da denúncia e mais alguns detalhes.

Dagostin afirmou que pretende protocolar hoje, após visita ao Ministério Público, onde busca esclarecer os trâmites para a aposentadoria de servidores. A assessoria jurídica da Câmara disse ontem que o principal alvo é o do primeiro funcionário a se aposentar pelo CriciúmaPrev.

A informação no Instituto de Previdência é que a homologação deveria ser feita pelo Executivo mas consulta ao Tribunal de Contas informou que poderia ser pelo Legislativo, o que restou em dúvida. Sendo assim, informou o advogado Leo Cassetari existe um ato de concessão mas que aguarda a ratificação do CriciúmaPrev e do Tribunal de Contas e que hoje passará pelo crivo do Ministério Público, “O servidor tem prazo para aposentadoria e tempo de contribuição. Não há nada de errado ou fraudulento”, garante o advogado.

Por ora, a certeza é que o fato agitou os bastidores políticos e pode ter desdobramentos nos próximos dias. Principalmente se o vereador cumprir a promessa de protocolar o pedido de informações na prefeitura acerca da autoria da denúncia.

Enviando Comentário Fechar :/