Prefeito de Chapecó, João Rodrigues, do PSD, em entrevista ao blog demonstrou que está preparado para renunciar a prefeitura para participar das eleições de 2022 mas só o fará para disputar o Governo
28/06/2021 16:41

O prefeito de Chapecó, João Rodrigues, do PSD, pretende mais que uma carona na garupa de jair Bolsonaro para as eleições do próximo ano. Para ele, o eleitor em Santa catarina continua alinhado em sua maioria com o perfil de Bolsonaro e isso deve se refletir nas eleições do próximo ano no estado. Na entrevista que concedeu ao site, informa que dessa vez o eleitor vai olhar  "o perfil, a qualidade e o histórico". Ao mesmo tempo, João Rodrigues adiante que o único partido com o qual não se aliaria em caso de disputar o governo do estado em 2022 seria o PT e enfatiza que nunca foi aliado do PT e nem o PT seu aliado. 

Prefeito a visita do presidente Bolsonaro o coloca como mais força na vitrine para a disputa em 2022. O sr admite então que pode de fato disputar o governo de SC no próximo ano? 

 A visita do presidente coloca o Oeste de Santa Catarina mais uma vez num cenário importante, quer seja na política e também de demandas antigas que precisam ser atendidas. O presidente e o ministro Tarcísio anunciaram investimentos para toda a região. Isso ajuda, contribui muito. Evidente que dentro do PSD meu nome é apresentado como uma das alternativas e a possibilidade de disputar a eleição para o governo do estado não está descartada. 

 Em que condições o Sr renunciaria a prefeitura para ser candidato em 2022? 

A minha condição para sair da prefeitura para ser candidato a governador depende muito do sentimento popular, das pessoas de todas as regiões do estado. Se o eleitor de Santa Catarina entender que eu deva disputar essa eleição é claro que essa é uma decisão que eu tomaria com certeza absoluta. Dentro do próprio partido tem uma grande relação com todos os quadros de respeito de de amizade. Sempre fui leal a todos. Sempre fui cabo eleitoral de Raimundo Colombo em todas as eleições e tenho relação de amizade com todo mundo.Apesar de o nosso partido ter bons nomes, mas o meu nome está colocado como uma alternativa

Quais os partidos o Sr vê como aliados do PSD neste cenário? 

Olha numa eventual aliança da qual eu venha disputar como governo do estado eu particularmente estaria costurando ou costuraria com os que tem alinhamento com o perfil do presidente Bolsonaro. Eu acho que o país está passando por transformações então é necessário seguir esse caminho. Mas isso é uma condição de discussão futura, conforme disse, tenho relação de respeito e amizade com todos. Com o PP do senador Esperidião Amin, com o MDB de Dário Berger,o próprio Antídio Lunelli com o qual não tenho relação pessoal mas o respeito muito. Clésio Salvaro, meu amigo de longa data. O próprio Governador Moisés por quem tenho um respeito muito grande, é o governador do nosso estado, e assim ficaríamos enumerando todos os partidos constituídos. Uma coisa é certa: na eventualidade de eu disputar uma eleição o único partido com o qual não me aliaria é o PT. Por uma questão de contraponto. Sou adversário histórico do PT. Nunca fui aliado do PT nem o PT meu e acho que vamos continuar assim.

O Sr falou em aliados que tenham alinhamento com Bolsonaro… mas não citou o PL do senador Jorginho.. o Sr considera que o presidente possa ter dois ou mais palanques em SC?

O senador Jorginho Mello é pré-candidato natural né? Ele tem oito anos de mandato pode perfeitamente, com todo direito, como qualquer um tem e ele é senador né, tem quatro anos de mandato pela frente. É um grande aliado do presidente, sem sombra de dúvidas, é um grande amigo, respeito muito ele mas agora é hora de analisar o quadro do ano que vem. Como diria, tudo pode acontecer. Todas as possibilidades são possíveis. Tudo é possível.

 Quantos candidatos ao governo o Sr enxerga no cenário para 2022? 

Eu acho que deverá ter aí pelo menos uns seis a sete candidatos no primeiro turno. Depois no segundo, se houver o segundo turno, aí são os alinhamentos mas eu prevejo sete candidaturas são naturais hoje ao governo do Estado.

 A onda de 2018, capitaneada por Bolsonaro foi um tsunami… o Sr acredita que isso se repita em 2022?

Acredito que o presidente Bolsonaro continuará sendo uma referência, mas não será aquela onda que tivemos em 2018. O eleitor catarinense continuará votando no presidente Bolsonaro. Agora, para cá, ele vai analisar claro, candidato a candidato, mas principalmente os que estiverem afinados com o presidente Bolsonaro. Aí tem que ver o perfil, a qualidade, o histórico.Eu acho que não será como foi na eleição passada. Creio que ela vai ser diferente e que o presidente continua com uma força muito grande em Santa Catarina,  mas essa força vai ser dividida entre votar em Bolsonaro ou votar simplesmente em quem apóia Bolsonaro. Acho que isso já não se repete mais. Agora vai ser quem é que pode fazer mais pelo estado, mas também esteja alinhado com Bolsonaro.

  Dentro de seu partido o Sr considera ser o mais preparado para ser candidato ao governo?

O PSD tem bons nomes, bons quadros, preparados é claro. É o caso do ex-governador Raimundo Colombo, que jé cumpriu aí uma missão, do Napoleão Bernardes que foi um grande prefeito de Blumenau… Acho que tudo tem a ver com o que o povo pretende. Qual o sentimento da população. Faço política primeiro ouvindo o povo. Temos que andar em sintonia com o que pensa o cidadão catarinense. Não é a cúpula partidária apenas. Tenho uma grande relação com a cúpula partidária, amizade, mas o que me levaria a pensar em deixar a prefeitura de Chapecó desde que tenha sentimento popular. Caso contrário não poderia trair o povo de Chapecó, que me deu o mandato de prefeito mas tem que ter afinidade com o eleitor de todo o estado. 

 O Sr renunciaria para concorrer a outro cargo que não fosse governador?

Isso está descartado. Só na condição de candidato a governador. Fora isso não sairia do Governo Municipal. Aí cumpro meu mandato.

(Com foto/Divulgação/ Redes Sociais)

 

 

 

Enviando Comentário Fechar :/